Search
A hora do dinheiro logo

Sumário

Tamanho da fonte-+=
Tamanho da fonte-+=

Como o trabalho não remunerado sustenta a sociedade?

Sumário

4 min para ler
Tamanho da fonte-+=
Getting your Trinity Audio player ready...
Dreamstime - Ocusfocus

Resumo – Veja como as tarefas domésticas realizadas nos lares brasileiros correspondem a um percentual relevante do PIB do país.

 

Você sabia que o trabalho doméstico não remunerado, em grande parte realizado por mulheres, se fosse contabilizado, geraria uma contribuição imensa para a economia global? 

Vamos explorar como essas atividades impactam diretamente suas finanças e qualidade de vida.

 

O impacto econômico invisível

 

De acordo com uma pesquisa recente (2023) do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV IBRE), mulheres são responsáveis por cerca de 65% do trabalho de cuidados não remunerado no Brasil. 

Em regiões com menor renda e educação, como o Norte e o Nordeste, essa desigualdade é ainda mais pronunciada. Imagine: se contabilizado, esse trabalho teria adicionado cerca de 13% ao PIB brasileiro (por ano) nos últimos 20 anos, equivalente ao PIB do Rio de Janeiro!

 

Uma realidade global

 

Não é só no Brasil que essa disparidade existe. Globalmente, estudos do Comitê de Oxford para o Alívio da Fome (Oxfam) mostram que mulheres realizam mais de três quartos do trabalho de cuidado não remunerado

Em 2020, se fossem remuneradas pelo mínimo, teriam contribuído com US$ 10,9 trilhões para a economia global. Isso mostra como essas tarefas, embora invisíveis, têm um impacto enorme.

 

Desigualdade de gênero: raízes históricas e atuais

 

A pesquisa da FGV IBRE revela que a distribuição desigual do trabalho entre homens e mulheres reflete normas sociais profundamente enraizadas

Apesar dos avanços no mercado de trabalho, as mulheres continuam carregando quase sozinhas as responsabilidades familiares. Isso não apenas limita suas oportunidades de carreira, mas também perpetua um ciclo de desigualdade econômica.

 

Promovendo a igualdade em casa

 

É fundamental que todos participem igualmente das responsabilidades domésticas. Quando homens compartilham essas tarefas de forma equitativa, as mulheres têm mais tempo para investir em suas próprias carreiras e interesses pessoais. 

Isso não apenas promove uma dinâmica familiar mais justa, mas também contribui para uma sociedade mais equilibrada.

É importante ressaltar que cada família é única, tem seus desafios particulares e, portanto, pode ter a sua própria dinâmica interna de divisão de tarefas. O importante é que nenhuma das partes fique sobrecarregada enquanto a outra não contribui devidamente.

Acompanhe nosso canal no youtube

Simulação de custos

 

Considerando esses custos invisíveis, economizados com o trabalho não remunerado, deixo a seguir um exercício que mostra o impacto do trabalho doméstico não remunerado em um orçamento doméstico.

 

1. Serviços de limpeza

 

Contratar serviços de limpeza pode representar um gasto significativo ao longo do tempo. Por exemplo, uma diarista que cobre R$ 150 por visita, duas vezes por semana, resulta em um custo mensal de R$ 1.200. Ao realizar essas tarefas pessoalmente, economiza-se esse valor. 

 

2. Preparo de refeições

 

Uma família que gasta R$ 70 por refeição em um restaurante, três vezes por semana, acumula um gasto mensal de aproximadamente R$ 840. 

Preparando essas refeições em casa, o custo pode ser reduzido para cerca de R$ 440, economizando R$ 400 mensais. Além disso, preparar suas próprias refeições permite o controle sobre a qualidade, higiene e a nutrição dos alimentos, resultando em economia de custos de saúde a longo prazo.

 

3. Cuidado com crianças e idosos

 

Os custos de creches e cuidadores podem ser exorbitantes. Uma creche pode cobrar R$ 1.000 por mês por criança, enquanto cuidadores de idosos podem cobrar R$ 2.000 mensais.

 

4. Lavanderia

 

Lavar e passar roupas em casa é outro exemplo de economia significativa. Serviços de lavanderia podem cobrar R$ 5 por peça para lavar e passar, e uma família média pode gastar R$ 400 mensais nesses serviços. Realizar essa tarefa em casa pode reduzir esses custos drasticamente.

 

5. Transporte

 

Realizar tarefas domésticas internamente pode reduzir a necessidade de deslocamentos frequentes, economizando em custos de combustível e manutenção do veículo, além de diminuir o desgaste do carro. Estima-se que uma redução de 20% nos deslocamentos possa economizar até R$ 150 mensais em combustível e manutenção.

 

6. Saúde e bem-estar

 

Manter a casa limpa e organizada contribui diretamente para a saúde física e mental dos moradores. A ausência de poeira, mofo e outros alérgenos pode reduzir a incidência de doenças respiratórias, enquanto um ambiente organizado pode melhorar o bem-estar mental, reduzindo o estresse e a ansiedade. Esses fatores contribuem para a diminuição de despesas médicas e aumento da produtividade.

 

Como mudar este panorama?

 

Veja o tamanho da contribuição destes trabalhos para uma família. Muitas vezes, o valor economizado acaba sendo maior do que o de um salário mínimo, o que explicaria o fato de que muitas famílias acabam decidindo deixar um de seus membros responsáveis por estes cuidados.

Precisamos pressionar nossos representantes para que empregos com maior qualificação sejam criados no país. Assim, vagas com maiores salários serão mais frequentes, permitindo que as pessoas realmente escolham trabalhar em casa ou em suas carreiras, podendo contratar esses serviços separadamente para suas casas e familiares.

Para que isso ocorra, é preciso um trabalho conjunto da sociedade, com aumento de educação, que impacta diretamente na produtividade. Não é um caminho fácil, nem rápido, mas é o mais adequado para a equidade e a justiça.

 

Valorizando o invisível

 

Reconhecer o valor do trabalho não remunerado não é apenas uma questão financeira, mas também um passo fundamental para promover a justiça social e o bem-estar familiar. 

Ao valorizar e equilibrar essas responsabilidades, não só melhoramos nossa gestão financeira, mas também criamos um ambiente mais harmonioso e igualitário em nossos lares.

Por João Victorino

João Victorino é administrador de empresas e especialista em finanças pessoais. Formado em Administração de Empresas e com MBA pela FIA - USP. Executivo em empresas multinacionais nas áreas de desenvolvimento de negócios, marketing e estratégia. Possui ampla experiência no empreendedorismo e hoje divide esses aprendizados. Para isso, o especialista criou e lidera o canal A hora do dinheiro , com conteúdo gratuito e uma linguagem simples, objetiva e inclusiva.

Você também pode se interessar:

43 Visualizações
0Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *