A hora do dinheiro logo

Como o investidor comum se protegeria de uma “bomba” como a das Americanas?