Search
A hora do dinheiro logo

Sumário

Tamanho da fonte-+=
Tamanho da fonte-+=

Qual a diferença entre câmbio fixo e câmbio flutuante?

Sumário

3 min para ler
Tamanho da fonte-+=
Getting your Trinity Audio player ready...
Roberto Júnior - Dreamstime

Resumo – Qual a diferença entre regimes cambiais fixos e flutuantes? Quais são as suas principais características?

 

Os regimes cambiais são essenciais para entender como as nações gerenciam suas moedas em relação a outras moedas globais. Essencialmente, eles se dividem em dois tipos principais: câmbio fixo e câmbio flutuante. 

Cada um possui características distintas e implicações econômicas que influenciam desde a estabilidade macroeconômica até a capacidade de um país de reagir a choques externos.

 

Câmbio Fixo e Câmbio Flutuante

 

Câmbio Flutuante

 

No regime de câmbio flutuante, o valor da moeda é determinado pelo mercado, baseado na oferta e demanda de moeda estrangeira. 

  • Vantagens: Isso permite que a taxa de câmbio absorva choques externos, ajustando-se naturalmente a eventos econômicos globais e domésticos. Este regime confere maior flexibilidade à política monetária, permitindo que o banco central foque mais diretamente no controle da inflação e outros objetivos internos. Assim, são evitadas pressões mais fortes nas reservas internacionais do país.

 

  • Desvantagens: Possibilidade de alta volatilidade no câmbio e elevação da incerteza em períodos de crise (o que pode prejudicar investimentos internacionais no país).

Acompanhe nosso canal no youtube

Câmbio Fixo

 

Neste regime, o valor da moeda nacional é fixado em relação a uma moeda estrangeira ou a uma cesta de moedas. Geralmente, países que buscam impulsionar suas exportações ou passam por momentos de descontrole inflacionário usam este regime.

 

Vantagens: Isso proporciona previsibilidade econômica, reduzindo a incerteza para o comércio e os investimentos internacionais. 

 

Desvantagens: manter um câmbio fixo exige grandes reservas internacionais para defender a taxa estabelecida e pode limitar a autonomia da política monetária do país (fazendo com que a definição da taxa de juros do país sofra maiores oscilações devido a pressões externas), uma vez que o banco central deve frequentemente intervir no mercado de câmbio para manter a taxa fixa.

 

Adoções dos câmbios fixo e flutuante pelo mundo

 

    • Estados Unidos e Zona do Euro: Ambas as economias operam sob um regime de câmbio flutuante. Esse sistema permite que o dólar americano e o euro respondam a mudanças na economia global sem necessidade de intervenção direta para manter uma taxa fixa.
    • China: A China mantinha um regime de câmbio fixo, mas agora adota um regime de câmbio híbrido, com flutuações administradas, chamada popularmente de “flutuação suja”, permitindo que o banco central ajuste a taxa dentro de uma faixa limitada para controlar as exportações e estabilizar a economia.

 

O Brasil e seu Regime Cambial

 

O Brasil adotou o regime de câmbio flutuante em 1999, após um período de câmbio semi-fixo conhecido como “bandas cambiais”, que era utilizado desde 1994 (com o Plano Real). 

Desde então, o real brasileiro flutua livremente no mercado, com intervenções ocasionais do Banco Central para evitar volatilidade excessiva. 

Este sistema oferece ao Brasil a flexibilidade necessária para lidar com choques econômicos externos e internos, mantendo a política monetária focada em objetivos como o controle da inflação.

 

Ponderando as duas possibilidades

 

Os regimes cambiais fixo e flutuante oferecem vantagens e desvantagens que cada país deve ponderar de acordo com suas circunstâncias econômicas e objetivos. 

Enquanto o câmbio fixo promove previsibilidade (a altos custos), o flutuante oferece flexibilidade e a capacidade de absorver choques. 

Compreender essas diferenças é importante para analisar as políticas econômicas globais e suas implicações na estabilidade e crescimento econômico de cada país.

Por João Victorino

João Victorino é administrador de empresas e especialista em finanças pessoais. Formado em Administração de Empresas e com MBA pela FIA - USP. Executivo em empresas multinacionais nas áreas de desenvolvimento de negócios, marketing e estratégia. Possui ampla experiência no empreendedorismo e hoje divide esses aprendizados. Para isso, o especialista criou e lidera o canal A hora do dinheiro , com conteúdo gratuito e uma linguagem simples, objetiva e inclusiva.

Você também pode se interessar:

29 Visualizações
0Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *