A hora do dinheiro logo

Sumário

Tamanho da fonte-+=
Tamanho da fonte-+=

10 passos para um planejamento financeiro decente

Sumário

8 min para ler
Tamanho da fonte-+=
Getting your Trinity Audio player ready...
Liudmila Puchinskaia / shutterstock

 

Resumo: não existe liberdade financeira sem um bom planejamento financeiro. Mesmo que ganhe um prêmio de loteria, você precisará de um planejamento financeiro. Neste texto, listamos os 10 passos para você colocar a mão na massa e desenvolver essa importante ferramenta.

 

1) Aprenda a se conhecer melhor

 

Muitos dos resultados de nossa vida financeira são consequência de uma mistura de 3 elementos particulares: conhecimento, personalidade e comportamento.

Vejamos com mais profundidade cada um deles:

 

Conhecimento

 

O conhecimento pode ser adquirido. Nós podemos buscá-lo, pois ele está disponível em bastante quantidade (e muitas vezes grátis hoje em dia) e é encontrado em vários lugares. Você já sabe disso.

As formas de transmissão são as mais diversas: cursos, treinamentos, livros, sites, portais, palestras. Com relação ao método de ensino e de aprendizagem, já foi muito pesquisado, ao longo do tempo, o que funciona e o que não funciona nas finanças pessoais. Não podemos, a priori, achar que tudo é bom. Precisamos qualificar esse aprendizado, claro.

 

Personalidade

 

Nossa personalidade é um conjunto de características que nos diferencia das outras pessoas, como se fosse o nosso hardware (a nossa máquina).

Somos desse jeito porque tivemos determinadas experiências – o pessoal da psicologia (Freud principalmente) defende que muito de nossa personalidade foi desenvolvido na primeira infância.

Portanto, tente reviver esses momentos para entender mais sobre si mesmo (a).

 

Comportamento

 

O comportamento é quase resultado imediato da interação entre os dois outros elementos. Quase uma soma. Não é uma soma, porque você poderá mudar seu comportamento. Isso está na sua mão, no seu dia-a-dia.

O comportamento, assim como o conhecimento, pode ser influenciado por você. Todos os dias, o seu comportamento é resultado de uma construção própria. Vale observar, porém, que pessoas que sofrem de algum tipo de doença física ou mental possam ter dificuldades em controlar seus comportamentos, ou simplesmente não conseguem.

Para todos os outros casos, sim, é possível mudar comportamentos. Está na sua mão mudá-los, saber exatamente quem você é. O resultado da mistura desses 3 elementos em sua vida ajuda a identificar como você é na sua vida financeira e o que você precisa efetivamente ajustar, melhorar e evoluir.

Muitas pessoas podem ter tido que conviver, na sua primeira infância, com brigas dos pais (por conta de dificuldades que tinham com dinheiro em casa). Outros poderiam ter vivido problemas de casal porque tinham muito dinheiro.

Estas 2 situações podem resultar em impactos emocionais nos filhos, que podem ter contribuído para que eles tomassem determinadas decisões ao longo da vida em relação ao dinheiro.

Imagine que uma pessoa que viu os seus pais se separarem por conta do dinheiro não deve ter uma relação muito positiva com grana. Pense sobre como foi a sua relação na primeira infância com dinheiro, como que foi seu primeiro reconhecimento da importância (ou da não importância) disso, e o quanto que o dinheiro e as finanças influenciaram na vida da sua família para ver se isso não é parte do direcionamento de como você é hoje.

 

2) Separe um momento para o assunto finanças

 

É necessário dar atenção ao tema e, para ter foco, precisamos separar um momento especial para isso. Você precisa achar um momento no seu dia a dia para ficar longe das distrações, sejam elas quais forem (trabalho, lazer e celular, principalmente).

Desligue o celular e dê atenção total a este assunto. Prepare-se, defina quando vai ser esse momento (se você tiver agenda, será melhor ainda). Estabeleça lá o horário em que você vai prestar 100% de atenção nisso.

Exemplo: será na terça-feira, às 14:00,em minha casa. Você precisa de um ambiente sossegado. Precisa entender que é necessário dar atenção total ao tema certo. Não adianta ficar um planejamento meia boca. Dedique-se!

 

3) Formalize, torne o compromisso em um contrato

 

Você precisa escrever o seu planejamento. Essa escrita pode ser digital, então ela não precisa ser necessariamente em papel (pode ser no Word, no Excel, no Powerpoint, em uma folha em branco mesmo, em caderno novo ou usado).

A formalização é necessária para que você, através dela, certifique-se regularmente do seu processo. É necessário reavaliar como está a evolução (se você estagnou ou se você está voltando atrás no seu planejamento) e, assim, poderá definir que atitude tomar para voltar aos trilhos.

Se você tem um companheiro ou companheira, tente incluir a pessoa amada nessa formalização, mostrando o resultado e comprometendo-se oficialmente com suas metas.

Existem indicações em pesquisas de que, quando nos comprometemos oficialmente com outras pessoas, as chances são bem maiores de que vamos cumprir as metas.

 

4) Seja 100% sincero com você

 

Um erro comum ao realizarmos o planejamento financeiro é não ser 100% verdadeiro em relação aos números.

O impacto de ver o tamanho das despesas do próprio descontrole pode ser dolorido para a maioria das pessoas e, portanto, para aliviar essa dor, a pessoa pode (mesmo que quase inconscientemente) ajustar as contas para baixo, escondendo “sem querer” alguns problemas.

Não caia nessa armadilha, a criação do seu planejamento financeiro poderá ser um momento libertador para você. Ele pode ser o primeiro passo em direção a uma tomada de controle total de sua vida.

Só o fato de você ver, talvez pela primeira vez, de maneira integral o total de suas despesas, bem como dos seus rendimentos, já te dá uma sensação positiva de maior poder e controle.

Agora que você sabe exatamente o tamanho do problema, terá condição de enfrentá-lo. Por outro lado, se você não sabe exatamente a dimensão do desafio, pode ser o mesmo que você combater um inimigo desconhecido.

Já pensou nisso? Você, no meio da mata, com um rifle nas mãos. Um monte de outras pessoas espalhadas em volta de você e, você não consegue identificar quem é o inimigo, quem você deve combater. Como você vai fazer?

Tenha 100% de honestidade e transparência com as informações que você vai colocar no planejamento.

 

5) Estabeleça metas possíveis, e vá ficando exigente aos poucos

 

Hoje em dia sabemos que, se não atentarmos muito bem nas metas que incluímos para o atingimento de qualquer objetivo, podemos incorrer no risco de perder o estímulo (motivação) para alcançá-las.

O exemplo que trago aqui, nós conhecemos bem: é sobre aqueles concursos ou disputas de equipes de vendas de empresas, onde as metas são muito agressivas para os participantes. Aqueles que não acreditam que essa meta seja viável, que achem que ela é é impossível de ser alcançada, vão desistir logo, e não darão a contribuição esperada para o time todo.

Outro fenômeno muito comum, também em disputas na área de vendas, é o caso de um participante alcançar resultados muito bons e muito rápidos, gerando também um efeito de desestímulo para o restante dos competidores.

É muito importante que a definição da meta do que você busca (em termos de controle da sua financeira) seja bem feita.

Deve ser sempre uma meta possível, principalmente quando você está começando a criar seu próprio planejamento financeiro. Nas primeiras versões, a meta possível e o alcance dela resultará em um efeito de estímulo e animação para você. E é sempre muito ruim começar um processo de planejamento do qual você poderá desistir logo após começar, todo desanimado e com sensação de derrota.

Não faça isso, lembre que as metas devem aumentar ao longo do tempo regularmente. Exemplo: reduzir o seu rombo (déficit mensal) em 100 BRL nos próximos 3 meses. Como sugestão, a próxima meta deve ser diminuir o rombo em 150 ou 200 BRL nos próximos 3 meses.

Cada caso é um caso, e deverá levar em consideração o tamanho do problema e as alternativas existentes. A partir do resultado que você atinge nas primeiras metas, defina os próximos objetivos, sempre melhorando.

 

6) Não procrastine, comece já!

 

Criar um planejamento financeiro é algo que não deve esperar tempo nenhum. A desorganização financeira é como uma doença que se alastra rapidamente. Quanto mais tempo você esperar, mais difícil fica a solução dos problemas e mais longa será a rota de acerto.

Comece agora, separe o tempo e as informações necessárias. Defina o espaço que você vai utilizar para o planejamento e comece já.

Claro que, quanto mais cedo você começar, melhor será para os seus resultados ao longo do tempo. Mas se você ainda não começou, isso não deve ser motivo para não começar já! Mãos à obra!

 

7) Comemore as conquistas

 

Isso é super importante. O ato de comemorar é uma forma de deixarmos claro que somos capazes de realizar coisas boas para nós de uma maneira real.

Eu nunca ouvi falar de nenhuma comunidade do mundo que não tenha rituais para celebrar suas conquistas. Desde as comunidades de nômades caçadores da África aos aborígenes da Oceania, quanto aos povos indo-europeus, todos têm rituais, festas, eventos com o objetivo de celebrar as conquistas.

Festas de aniversário são os tipos de rituais mais comuns que conhecemos e são marcos de uma nova idade e de uma nova fase de vida. Já parou para pensar nisso? Crie uma forma de comemorar a conquista de suas metas anteriormente planejadas.

Pode ser uma taça de vinho, caso você goste, uma garrafa de cerveja, ou uma sobremesa. Um pequeno presentinho que marque esse momento e faça você se animar para o próximo passo da jornada!

 

8) Continue aprendendo, sempre

 

Talvez esse seja o melhor conselho que alguém pode receber.

Somos animais em evolução. O ser humano é imperfeito (apesar de muitos acharem o contrário), mas temos a capacidade de, todos os dias, aprendermos um pouco mais e sermos melhores no dia seguinte. Isso pode ser aplicado em todas as áreas da sua vida.

Podemos, diariamente, ler 1 ou 2 páginas de um livro sobre um assunto que gostamos muito. Estaremos melhores no dia seguinte. Podemos assistir a um ou 2 vídeos sobre aquele assunto nas plataformas de vídeos existentes, e também estaremos um pouco melhores que no dia anterior.

Falar com outras pessoas que você respeita sobre determinado tema, os mentores, também nos ajudará muito. Cursos, treinamentos e palestras estão cada vez mais à nossa disposição. Precisamos cultivar a vontade para ir em busca de melhorar, sempre. Tem uma frase que gosto muito que diz “coisa boa não te procura“.

E isso é verdade, acredite. Mantenha-se atenta, curiosa e buscando o máximo que puder para criar uma rotina para seu aprendizado.

É muito bom, e é possível!

 

9) Se der errado, recomece tudo de novo

 

Sempre, as coisas podem sair diferentes do que planejamos. É do jogo. Às vezes, erramos no entendimento do que fazer de melhor; outras vezes, erramos na execução. Achamos que podemos ser mais assertivos aqui, e não ali e, no final, quando as coisas não dão certo, temos a chance de aprendermos com o que foi realizado.

Às vezes, nossos parceiros/clientes não fazem a parte deles, não dá certo. Outras vezes, somos traídos por nossa preguiça (a vida é tão atribulada, nos consome tanto, que nos falta energia para fazermos as coisas do jeito certo).

Ter um planejamento financeiro é a mesma coisa. Chega ao fim do primeiro, do segundo, do terceiro mês e não atingimos o resultado. Você pode parar e recomeçar tudo de novo.

Refaça o plano, revise as metas e repita. Essa rotina de revalidação e ajuste do que está errado vai te ajudar a aprofundar os conceitos. Até que o conceito se transforme em algo que não é mais novo para você, mas se tornou familiar.

Pode até não ser algo automático, mas já não é novidade. Você poderá repetir sem ser algo que gera muita dor ou muito esforço para você.

Deu errado, recomece, não desista!

Ter seu planejamento financeiro é muito importante e ele vai te colocar nos trilhos para te ajudar a ter uma vida melhor.

 

10) Tenha um propósito

 

Nada do seu planejamento vai funcionar se você não tiver um propósito para atingir com ele.

Quando eu falo em propósito, falo em algo muito maior, falo em algo que tem a ver com o valor mais importante que tem dentro de você.

Por exemplo, todo pai de família tem a sua família em primeiro lugar.

Então, realizar um planejamento financeiro que busca dar uma folga financeira e uma tranquilidade para que a sua família esteja bem é o valor que esse pai está buscando nesse exemplo que estou dando.

Outras pessoas, talvez, tenham valores um pouco diferentes. Alguém pode não ter uma família, mas tem lá um cachorrinho que ama de paixão e quer dar tudo para aquele cachorrinho. Isso pode ser um valor também.

Outras pessoas têm como valor ajudar os outros: ajudar uma creche, ensinar pessoas e, para isso, precisam fazer um planejamento financeiro para que tenham recursos e consigam realizar essa atividade.

Isso é um valor também.

Então, não esqueça que, ao final do seu planejamento financeiro (e no início do planejamento financeiro – os 2 começam com isso), você precisa ter um valor maior, um objetivo, um propósito.

Tem um livro que gosto muito que é de um autor chamado Viktor Frankl – chamado Em Busca de Sentido – que conta da capacidade que ele teve para sobreviver durante o período que esteve nos campos de concentração nazistas na Segunda Guerra Mundial. Porque ele tinha um propósito, ele tinha uma meta maior, ele tinha um objetivo maior, ele queria rever a sua família.

E foi esse valor que o manteve vivo durante todas as atrocidades que ele sofreu e viu outros sofrerem. Um planejamento financeiro é uma coisa muito mais simples!

Não tenha dúvida de que, para você atingir coisas muito legais na sua vida, você precisa ter um valor, um sentido, um propósito!

430 Visualizações
0Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *