Search
A hora do dinheiro logo

Sumário

Tamanho da fonte-+=
Tamanho da fonte-+=

Despesas essenciais

Sumário

2 min para ler
Tamanho da fonte-+=
Getting your Trinity Audio player ready...

Resumo: em mais um texto da série sobre a tão importante reserva de emergência, colocamos, a seguir, algumas sugestões para que você determine as principais etapas para a construção de sua reserva de emergência.

 

Organização das despesas

 

Escolher as despesas que chamamos de essenciais é uma das tarefas para a criação do fundo de emergência, que todos nós deveríamos ter. Esse fundo é um dos pilares para que conquistemos o chamado equilíbrio ou liberdade financeira, como queiram. Veja mais sobre isso em nosso texto a força de um caderninho.

A organização do seu fundo de emergência pode ser feita em etapas, como as sugeridas a seguir:

    1. Defina suas despesas essenciais;
    2. Determine quanto dinheiro será necessário ter guardado neste fundo;
    3. Estime os valores que você conseguirá aportar;
    4. Verifique despesas que serão reduzidas para criar esse fundo;
    5. Escolha o formato do planejamento para criação e acompanhamento do fundo;
    6. Decida em qual tipo de investimento ficará a reserva.

A identificação das despesas essenciais nos traz a ideia do mínimo que requeremos para nossa sobrevivência e da nossa família. Veja que o conceito de sobrevivência é amplo, e não é o caso de definirmos isso para você. Mas, perceba que esse é um momento muito importante, já que você terá que definir o mínimo necessário, e limitações que acontecerão num momento de crise.

 

O que são nossas despesas essenciais?

 

O conceito de despesas é fácil de responder, essencial é que é o problema.

Segundo o dicionário Dicio.online, essencial é o imprescindível, o fundamental, o que não pode ser deixado de lado. Indispensável, por sua vez, deriva do latim – Essentialis – o que está no núcleo.

    • Ex : O filho é essencial para a mãe!
    • Esse exemplo dá a dica, e eu ajudo um pouco mais a seguir.

Nessa lista deveria ter:

    • Moradia – aluguel, condomínio, IPTU, conta de luz, conta de água;
    • Saúde – remédios, principalmente os recorrentes, plano de saúde (para quem pagar por isso);
    • Alimentação – comida do dia a dia;
    • Transporte – ônibus, trem, gasolina de carro (só em casos muito específicos).

E termina aí minha lista. Qualquer outro item deixa de ser essencial se não estiver nessa lista.

 

O que mais considerar?

 

Essa definição bem clara do que é essencial vai te ajudar a montar seu fundo de emergência, que deve começar a ser formado sem demora, caso ainda não tenha começado.

Incluir mais itens é uma decisão que deve ser avaliada com muito cuidado.

Educação privada é um tema um tanto quanto controverso, e deve ser analisado se realmente é algo essencial ou não. Escola paga para os filhos é geralmente um serviço bastante caro, e deveria ser preservado em momentos de aperto, mas podemos avaliar se, em casos extremos, não devemos migrar nossos filhos para a rede pública.

Num momento de perda de emprego, um grande problema de saúde que demandará muitas despesas e custos, devemos ter uma análise fria da situação e definir o melhor para a família.

518 Visualizações
0Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *